Atualizada em:

O nosso mundo está cheio de maravilhas naturais, e as cascatas ocupam um lugar especial entre elas. Afinal de contas, o que pode ser mais fascinante do que correntes de água cristalina a cair das alturas sob o colorido brilho do pôr do sol? As Cataratas Vitória, as Cataratas do Anjo, as Cataratas do Iguaçu, as Cataratas do Niágara – os seus nomes soam como hinos da natureza e as suas imagens maravilhosas percorrem merecidamente o mundo em postais e brochuras, atraindo olhares e encantando.

No entanto, entre esta galáxia estelar de obras-primas aquáticas, há algumas que, tal como os segredos de uma floresta profunda, estão escondidas do grande público. Uma dessas belezas naturais por descobrir são as majestosas Cataratas de Kaieteur. Pouco conhecida, mas não menos impressionante, Kaieteur tem uma misteriosa aura de inexpugnabilidade. A sua localização, como se tivesse sido escolhida pela própria terra, torna-a quase inacessível aos turistas. 

Cataratas de Kaieteur Quiana
Foto: Getty Images

A cascata de Kaieteur é uma das cascatas mais espetaculares do nosso planeta, situada no oeste da Guiana, perto da fronteira com a Venezuela. Uma enorme quantidade de água precipita-se de uma saliência rochosa de 226 metros para um abismo coberto de nevoeiro. A extravagância da queda de água deixa uma grande impressão em todos os viajantes.

A ribeira ruidosa está rodeada por uma selva tropical impenetrável. A grandiosa cascata de Kaieteur é a maior atração da Guiana. No entanto, devido à sua localização remota, apenas cerca de 200 pessoas por dia podem ver a sua beleza. Não existem infra-estruturas turísticas nas proximidades das cataratas e muitas pessoas admiram as cataratas a partir de um avião.

“Como é que os humanos chegaram a conhecer tamanha beleza da natureza?” – Pergunta-se.

  • Desde o início da segunda metade do século XIX, a Grã-Bretanha interessou-se pela natureza e pelas atracções das suas colónias remotas. Em 1867, os geólogos Charles Brown e James Sawkings começaram a explorar o território pouco explorado da Guiana Britânica (atualmente conhecida como Guiana independente). Após três anos de exploração, durante os quais Sawkings terminou a sua carreira e se reformou, o seu colega decidiu continuar a sua investigação sozinho. Nos 6 anos seguintes, percorreu 13.000 quilómetros de navegação fluvial e 3.500 quilómetros de percursos pedestres. Durante esta viagem, Brown efetuou pesquisas geológicas e descreveu muitos locais de interesse paisagístico.
  • Em abril de 1970, quando se encontrava no Vale do Potaro, um geólogo e os seus companheiros ouviram o som de água a cair. Ao aproximarem-se da borda do desfiladeiro, descobriram uma impressionante queda de água. Brown publicou informações sobre ela nas publicações da Royal Geographical Society. Um ano mais tarde, o geólogo visitou novamente as cataratas de Kaieteur para efetuar medições e investigações mais detalhadas. Alguns anos mais tarde, Brown publicou um livro de memórias com pormenores sobre a sua viagem e investigação nas selvas da Guiana Britânica.
  • Em 1924, outros geólogos trabalharam perto das cataratas de Kaieteur e descobriram um mineral raro chamado potarite. Este mineral é um composto natural de paládio e mercúrio. Curiosamente, os pequenos e frágeis cristais só foram encontrados num pequeno número de locais do planeta. Cinco anos mais tarde, o Parque Nacional de Kaieteur foi criado no vale do rio.

Como chegar à cascata?

A localização da cascata no Vale do Rio Potaro, no oeste do país, confere-lhe um cenário e uma beleza natural únicos. Há duas formas de chegar a esta cascata: a pé, através de uma caminhada aventureira de três dias a partir da cidade de Mahdia, e de avião a partir da capital da Guiana, Georgetown. Ambas as opções oferecem as suas próprias oportunidades e experiências únicas. A rota a pé a partir de Mahdia é uma caminhada de três dias e proporciona a sensação de viajar através de obstáculos naturais e apreciar a majestade da natureza no caminho para as cataratas, por outro lado, chegar de avião a partir de Georgetown proporciona uma forma mais rápida e confortável de chegar às cataratas. Esta opção permite-lhe ver várias quedas de água a partir do ar, incluindo Kaieteur e Orinduika. Esta abordagem dá aos viajantes a oportunidade de apreciar as cataratas de diferentes ângulos.

Cataratas de Kaieteur Quiana
Foto: Getty Images

Ao viajar, tanto os meios de transporte como as comunicações fiáveis são igualmente importantes. Isto é especialmente verdade em locais remotos onde o acesso às comunicações pode ser limitado. Neste contexto, o cartão eSIM, o cartão SIM  virtual e o cartão SIM digital da yesim.app tornam-se um verdadeiro salva-vidas, proporcionando flexibilidade e fiabilidade na comunicação, bem como permitindo-lhe manter-se em contacto com o mundo, mesmo nos locais mais remotos. O cartão SIM eletrônico da Yesim fornece o serviço eSIM, que é uma forma moderna e conveniente de se ligar a telemóveis. A aplicação Yesim pode ser descarregada de forma fácil e simples para dispositivos Android e Apple através da App Store ou do Google Play Market. Na aplicação, poderá obter um número de telefone virtual que lhe permitirá receber mensagens SMS gratuitamente, bem como utilizar uma VPN sem problemas, proporcionando uma camada extra de segurança e privacidade durante as suas aventuras.

Vale a pena ver pelo menos uma vez…

Kaieteur Falls é um símbolo da magnificência do nosso planeta. A voz da natureza soa em cada respingo, lembrando-nos da grandeza e originalidade da inspiração terrena.

∙ Gostou das nossas dicas? Faça a reserva do seu hotel ou pousada aqui e encontre as melhores condições para as suas férias.

∙ Encontre dicas de viagens e as últimas notícias que foram destaques também em nosso Instagram. Acompanhe.


Fale com o Viajar Melhor: Deseja falar com a redação, promover a sua marca ou relatar algum erro encontrado nesta página? Envie uma mensagem para [email protected]

 

Rolar para cima