A cidade Inca é mundialmente conhecida e recebe milhares de turistas todos os anos. Descubra o que fazer, quando ir, como chegar e a história de Machu Picchu

O lugar que é considerado Patrimônio Mundial da UNESCO e uma das 7 maravilhas do mundo, fica a 2,4 mil metros de altitude e foi povoada nos anos de 1450 a 1540. É provavelmente o lugar mais típico e importante do Império Inca.

Cercada por mistérios e exotismos, a cidade inca intriga cientistas até hoje, e nos questiona como uma população pré-colombiana poderia construir uma cidade inteiramente feita de pedras entre 10 kg a 20 toneladas no topo de uma montanha com difícil acesso e sem recursos tecnológicos.

História cidade de Machu Picchu

Machu Picchu

História de Machu Picchu. Foto: Divulgação

Descoberta no ano de 1911 pelo arqueólogo Hiram Bingham, a cidade Inca de Machu Picchu é mundialmente conhecida e recebe milhares de turistas todos os anos.

Há diversas teses que tentam explicar o motivo pelo qual Machu Picchu foi construída no topo de uma montanha. Algumas das teses mais aceitas diz que a cidade serviu primeiramente como centro de estudos sobre astronomia, outros dizem que o local servia para cultos religiosos.

Machu Picchu está em meio a outras montanhas com picos ainda mais altos, que serviam de proteção ao espaço. A cidade foi construída em um região totalmente inóspita do país onde a Cordilheira dos Andes encontra a Amazônia.

História de Machu Picchu: zona agrícola e urbana

A zona agrícola é a parte da cidade onde se cultivavam os alimentos, mesmo com grandes terraços que serviam tanto para cultivo quanto para drenar a água da chuva. Acredita-se que era necessário importar comida de outras cidades nos tempos áureos da civilização Inca.

A zona urbana é onde viviam desde os trabalhadores mais humildes às princesas da cidade, e também onde se desenvolviam as principais atividades civis e religiosas. A enorme área possuía casas, templos, mausoléus e praças. É possível descobrir o nível social através das pedras que formavam as acomodações, quanto mais trabalhada, mais importante a pessoa era.

Outro grande mistério que ronda a história de Machu Picchu é a razão pela qual ela foi abandonada. A explicação mais coerente feita por pesquisadores é que com a chegada dos espanhóis ao Peru e a destruição de todas as cidades do Império Inca em busca de ouro, os líderes de Machu Picchu, decidiram abandonar a cidade sagrada e apagar todos os vestígios dos caminhos para chegar até ela, e assim tentar mantê-la a salvo dos espanhóis. Até hoje é possível ver algumas das trilhas antigas usadas pelos antigos andinos que estão escondidas pela mata.

Existe hoje uma regra que limita a visitação a Machu Picchu a 1.500 pessoas por dia – o que, cá entre nós, não é seguido. Guias locais falam de 2.000 a 3.000 pessoas andando pela cidade perdida todos os dias, todo o ano – e o número chega a 4.000 em datas especiais como no solstício de inverno e de verão.

O que fazer em Machu Picchu

O que fazer em Machu Picchu

Foto: mailanmaik / Pixabay

Intipunku (Porta do Sol) 

Nomeada com o nome quéchua, que significa Porta do Sol, Intipunku é a porta de entrada dos caminhantes que acessam as ruínas incas de Machu Picchu através da Trilha Inca. A construção foi erguida em dedicação ao sol e durante o solstício de verão ele encaixa perfeitamente na entrada da ruína.

Templo do Sol

A enorme fonte de água sagrada fica próxima do templo dedicado a Pachamama (mãe terra) e possui uma enorme torre em formato circular que servia como área para eventos astrológicos e religiosos.

Intihuatana

O relógio solar está localizado no ponto mais alto das ruínas de Machu Picchu. O enorme objeto de pedra foi utilizado pelos povos incas para registrar a passagem do tempo, além de auxiliar a agricultura.

Templo das Três Janelas

Situado em frente à Praça Principal, e sua construção remeto os 3 níveis em que os incas dividiam o mundo: o céu (vida espiritual), a terra (vida mundana) e o subterrâneo (vida interior).

Setor Nobre

Intitulada como “Setor Nobre”, é uma área da cidade onde encontram-se diversas residências dos soberanos. Algumas delas foram restauradas para dar ao visitante uma visão realista de como era o cotidiano dos povos.

Huyana Picchu

Foto: Phillip Nguyen / Wikimedia Commons

Outra possibilidade de passeio para quem está visitando a atração é a trilha até o topo da montanha Huyana Picchu para ver a cidade sagrada de um ponto privilegiado. Para fazer a trilha é preciso comprar o bilhete específico em uma guarita própria no início da trilha.

Para conseguir controlar o acesso de turista e manter o patrimônio preservado, o governo do Peru limita o acesso para até 400 pessoas por dia, portanto é preciso chegar cedo ao local, são divididos dois grupos com 200 pessoas que saem entre as 7-8h da manhã e outro entre as 10-11h.

tik_tok

Foto: Divulgação

A trilha para a montanha Huyana Picchu não possui restrições, mas a subida ao cume é bem difícil.

O caminho possui milhares de escadas e um percurso bem íngreme sendo que em alguns momentos é preciso escalar algumas pedras. O trajeto certamente não é aconselhável para pessoas que possuem medo de altura.

Como chegar em Machu Picchu?

Foto: jorgecandia / Pixabay

O aeroporto mais próximo fica a 112 km de distância de Águas Calientes, que conta com hotéis, restaurantes e outra atrações turísticas. Você certamente já deve ter lido ou escutado relatos sobre a viagem de trem entre Cusco e Machu Picchu.

Existem empresas que levam os turistas de trem a Águas Calientes: a Peru Rail e a Inca Rail, sendo a primeira mais utilizada por obter uma vasta gama de horários e por ser a única a sair da estação Poroy, que fica próximo a Cusco.

Para chegar ao Parque Nacional é preciso pegar um ônibus que faz o traslado, ou para os mais aventureiros é possível chegar a Machu Picchu a pé, os roteiros para o trekking mais conhecidos são primeiramente as Trilhas de Salkantay, que leva 5 dias percorrendo um caminho alternativo e a Trilha Inca Clássica durando apenas 4 dias. Sendo o segundo, o caminho é feito pela rota tradicional que os Incas usavam para saírem da capital do seu império (Cusco) até a cidade Sagrada.

Ingressos para Machu Picchu

Foto: karlomanson / Pixabay

Antes de mais nada, lembre-se: Machu Picchu é uma atração com um limite diário de visitantes por dia. Por isso, o recomendado é comprar os ingressos para visitar Machu Picchu antes de viajar. Você pode comprar os ingressos diretamente no site oficial.

Os ingressos com valor de estudantes só são vendidos nos escritórios localizados na Calle Garcilaso  ou no Gabinete do Centro Cultural de Águas Calientes.

Se essa for a sua opção, não esqueça de levar o seus documentos que comprovam que você é estudante. Em ambas as opções o comprador são obrigados a apresentar o cartão de estudante mediante a escolha. Funcionários estão orientados a não vender tickets para atração mesmo que você esteja portando xerox dos mesmos.

O primeiro passo para comprar o seu ingresso para Machu Picchu é escolher as opções de tour que você deseja realizar:

  • Ingresso paraMachu Picchu (apenas entrada do parque principal)
  • Machu Picchu + Museu, Machu Picchu + Huaynapicchu
  • Tour Machu Picchu + Montaña

Qual a melhor época para visitar o Machu Picchu?

Foto: skeeze / Pixabay

Se você está com o intuito de visitar a cidade inca com o clima estável, fique atento com nossas dicas sobre a melhor época para visitar Machu Picchu.

O Parque Nacional do Machu Picchu está localizado em uma região tropical que recebe muitas chuvas no verão, não sendo muito aconselhável para visitas entre novembro e março, época que marca o maior número de pancadas de chuva eventualmente.

A temperatura anual média da região é de 20°. Os meses de maio a setembro são considerados a alta temporada, por chover menos na região, entretanto essa é a época mais movimentada e consequentemente, mais cara do destino.

» Lago Titicaca e suas ilhas – Peru e Bolívia
» Hotel no Peru oferece quartos transparentes pendurados em montanha
» A Terra dos Incas: descubra os principais atrativos turísticos peruanos
» Linhas de Nazca a atração mais misteriosa do Peru
» Huacachina, um oásis no meio do deserto no Peru

Dicas para planejar sua viagem:

» Encontre hotéis, pousadas, resorts e hostels com o Booking.com
» Reserve passagens aéreas com a MaxMilhas.
» Ganhe R$179 de crédito do Airbnb na primeira reserva.
» Aluguel de carros com até 30% de desconto e a garantia do melhor preço!
» Encontre seu seguro viagem com os melhores preços na Allianz Travel.

Deseja falar com a redação ou relatar algum erro encontrado nesta página? Envie uma mensagem para [email protected]

Ilhas Galápagos: arquipélago inesquecível no Equador

Artigo anterior

5 roteiros incríveis para os amantes de vinho

Artigo seguinte

Você pode gostar