Museus imperdíveis na Europa: aproveite sua viagem para o velho continente e conheça alguns dos melhores museus europeus

Passear pela Europa é muito mais do que frequentar lugares da moda ou ligados a alguma tendência moderna. Não podemos esquecer que o continente, com ou sem o Reino Unido, ainda é um dos mais ricos em termos de cultura do mundo.

Todos querem dar uma olhada nos museus europeus. Além da incrível variedade dos acervos, que foi motivo de muita polêmica e acusações de roubo cultural, há a possibilidade de ter contato com peças e telas dos artistas mais renomados da história.

Leia também » Os 100 lugares mais lindos para viajar no Brasil

Não é à toa que Dan Brown resolveu usar os museus na Europa para ambientar seus romances: da estrutura ao acervo, do ambiente que evoca a névoa de eras há muito idas a passeios que o colocarão em cenários traumatizantes, um passeio pelos museus é fascinante e, ao mesmo tempo, sombrio.

Venha conosco passear pelos melhores museus da Europa, escolhidos por nós com base não apenas da impressão que deixou em cada um que participou desta seleção como também pela importância cultural que seu acervo apresenta. Com ou sem obras de arte, inserido ou não em tempos bastante sombrios, estar num lugar desses nos faz entender melhor quem somos e o que vamos deixar de legado para as gerações que estão por vir.

Por isso aproveite os resumos abaixo para planejar com cuidados sua viagem e divirta-se voltando no tempo em tempo real, não virtual.

Melhores museus da Europa

Atenção: todos os sites indicados na lista de museus estão em inglês, não importando o país de origem, uma vez que algumas línguas são muito específicas e pouco faladas.

British Museum (Museu Britânico)

melhores museus da europa

Museus impressionantes para visitar na Europa. Foto: Jonathan Velasquez / Unsplash

O Museu Britânico é um museu público dedicado à história humana, arte e cultura localizado na área de Bloomsbury, em Londres. Sua coleção permanente de oito milhões de obras está entre as maiores e mais abrangentes existentes. Documenta a história da cultura humana desde seus primórdios até o presente. Foi também o primeiro museu nacional público do mundo.

Embora hoje seja principalmente um museu de objetos de arte cultural e antiguidades, o Museu Britânico foi fundado como um “museu universal”. Seus fundamentos estão no testamento do médico e naturalista anglo-irlandês sir Hans Sloane (1660-1753), um médico e cientista de Ulster radicado em Londres. Ao longo de sua vida, e particularmente depois de se casar com a viúva de um rico fazendeiro jamaicano, Sloane reuniu uma grande coleção de curiosidades e, não desejando ver sua coleção dividida após a morte, legou-a ao rei George II, para a nação, por uma soma de £ 20.000.

Naquela época, a coleção de Sloane consistia em cerca de 71.000 objetos de todos os tipos, incluindo cerca de 40.000 livros impressos, 7.000 manuscritos, extensos espécimes de história natural, incluindo 337 volumes de plantas secas, gravuras e desenhos, incluindo aqueles de Albrecht Dürer e antiguidades do Sudão, Egito, Grécia, Roma, o Antigo Oriente Próximo e Extremo e as Américas.

A expansão do museu nos 250 anos seguintes foi em grande parte resultado da colonização britânica e resultou na criação de várias instituições filiais, ou spin-offs independentes, sendo também considerado o primeiro o Museu de História Natural em 1881.

Sua propriedade de uma pequena porcentagem de seus objetos mais famosos originários de outros países é contestada e continua sendo objeto de controvérsia internacional por meio de reivindicações de repatriação, principalmente no caso dos Mármores de Elgin da Grécia e da Pedra de Rosetta do Egito.

Hoje o local não abriga mais coleções de história natural, e os livros e manuscritos que mantinha agora fazem parte da Biblioteca Britânica independente. O museu, no entanto, preserva sua universalidade em suas coleções de artefatos que representam as culturas do mundo, antigas e modernas. A coleção original de 1753 cresceu para mais de 13 milhões de objetos no Museu Britânico, 70 milhões no Museu de História Natural e 150 milhões na Biblioteca Britânica.

Como parte de seu site muito grande, o museu tem o maior banco de dados online de objetos na coleção de qualquer museu do mundo, com 2.000.000 entradas de objetos individuais, 650.000 deles ilustrados, online no início de 2012. Há também um banco de dados “Destaques” com entradas mais longas em mais de 4.000 objetos, e vários catálogos de pesquisa online especializados e periódicos online (todos de acesso gratuito). Em 2013, o site do museu recebeu 19,5 milhões de visitas, um aumento de 47% em relação ao ano anterior.

  • Great Russell St, London WC1B 3DG, Reino Unido
    E-mail: [email protected]
    Relação completa de contatos aqui.

Museu do Louvre

melhores museus da europa

Museus impressionantes para visitar na Europa. Foto: Jonathan Velasquez / Unsplash

O Louvre ou Museu do Louvre é o museu mais visitado do mundo e um marco histórico em Paris, França. É o lar de algumas das obras de arte mais conhecidas, incluindo a Mona Lisa e a Vênus de Milo. Um marco central da cidade, está localizado na margem direita do Sena no 1º arrondissement da cidade.

A qualquer momento, aproximadamente 38.000 objetos da pré-história ao século 21 estão sendo exibidos em uma área de 72.735 metros quadrados (782.910 pés quadrados). A participação em 2021 foi de 2,8 milhões devido à pandemia de Covid-19. O museu foi fechado por 150 dias em 2020 e o público caiu 72%, para 2,7 milhões. No entanto, ainda liderou a lista dos museus de arte mais visitados do mundo em 2020.

O museu está instalado no Palácio do Louvre, originalmente construído no final do século XII ao século XIII sob Filipe II. Remanescentes da fortaleza medieval do Louvre são visíveis no porão do museu. Devido à expansão urbana, a fortaleza acabou perdendo sua função defensiva e, em 1546, Francisco I a converteu na residência principal dos reis franceses.

O edifício foi ampliado várias vezes para formar o atual Palácio do Louvre. Em 1682, Luís XIV escolheu o Palácio de Versalhes para sua casa, deixando o Louvre principalmente como um local para exibir a coleção real, incluindo, a partir de 1692, uma coleção de esculturas gregas e romanas antigas. Em 1692, o edifício foi ocupado pela Académie des Inscriptions et Belles-Lettres e pela Académie Royale de Peinture et de Sculpture, que em 1699 realizou o primeiro de uma série de salões. A Académie permaneceu no Louvre por 100 anos.[8] Durante a Revolução Francesa, a Assembleia Nacional decretou que o Louvre deveria ser usado como museu para exibir as obras-primas da nação.

A instituição abriu em 10 de agosto de 1793 com uma exposição de 537 pinturas, a maioria das obras sendo propriedade real e confiscada da igreja. Por causa de problemas estruturais com o edifício, foi fechado em 1796 até 1801. A coleção aumentou sob a época de Napoleão e o museu foi renomeado Musée Napoléon, mas após a abdicação do imperador francês, muitas obras apreendidas por seus exércitos foram devolvidas aos seus proprietários originais.

A coleção foi aumentada ainda mais durante os reinados de Luís XVIII e Carlos X, e durante o Segundo Império Francês o museu ganhou 20.000 peças. As participações têm crescido de forma constante por meio de doações e legados desde a Terceira República. As obras se dividem em oito departamentos curatoriais: Antiguidades Egípcias; Antiguidades do Oriente Próximo; Antiguidades gregas, etruscas e romanas; Arte Islâmica; Escultura; Artes decorativas; Pinturas; Impressões e desenhos.

O museu contém mais de 380.000 objetos e exibe 35.000 obras de arte em oito departamentos curatoriais com mais de 60.600 metros quadrados dedicados à coleção permanente. Exibe esculturas, objetos de arte, pinturas, desenhos e achados arqueológicos.

Museu de Orsay

melhores museus da europa

Foto: Diane Picchiottino / Unsplash

O Orsay é um museu na margem esquerda do Sena. Está instalado na antiga Gare d’Orsay, uma estação ferroviária de Beaux-Arts construída entre 1898 e 1900. Abriga principalmente arte francesa que data de 1848 a 1914, incluindo pinturas, esculturas, móveis e fotografia.

Abriga a maior coleção de obras-primas impressionistas e pós-impressionistas do mundo, de pintores como Berthe Morisot, Monet, Manet, Degas, Renoir, Cézanne, Seurat, Sisley, Gauguin e Van Gogh. Muitas dessas obras foram realizadas na Galerie nationale du Jeu de Paume antes da abertura do museu em 1986. É um dos maiores museus de arte da Europa.

Em 2021 o museu teve um milhão de visitantes, 30% a mais do que em 2020, mas muito atrás dos anos anteriores, devido à pandemia da Covid-19. Apesar da queda, ficou em décimo quinto lugar na lista dos museus de arte mais visitados em 2020.

A qualquer momento, cerca de 3.000 peças de arte estão em exibição no Orsay. Dentro há um modelo em escala 1:100 criado por Richard Peduzzi de uma vista aérea da Ópera de Paris e da área circundante encapsulada sob o piso de vidro que os espectadores caminham enquanto avançam pelo museu. Esta instalação permite que os espectadores entendam o planejamento da cidade de Paris na época, o que tornou esta atração uma das mais populares dentro do museu.

Outra exposição interior é a doada por Marlene e Spencer Hays, colecionadores de arte que residem no Texas e colecionam arte desde o início dos anos 1970. Em 2016, o museu se comprometeu a manter a coleção de cerca de 600 peças de arte em uma coleção, em vez de dispersas por outras exposições.

Desde a Segunda Guerra Mundial a França não recebeu uma coleção de arte estrangeira tão grande, que privilegia principalmente obras pós-impressionistas. Os artistas apresentados nesta coleção são Bonnard, Vuillard, Maurice Denis, Odilon Redon, Aristide Maillol, André Derain, Edgar Degas e Jean-Baptiste-Camille Corot.

Para abrir espaço para a arte que foi doada, o museu está programado para passar por uma transformação radical a partir de 2020, financiada em parte por um patrono anônimo dos Estados Unidos que doou € 20 milhões para um projeto de construção conhecido como Orsay Grand Ouvert. O presente foi feito através dos Amigos Americanos dos Museus de Orsay e de l’Orangerie. A data de conclusão projetada é 2026, implementando novas galerias e oportunidades de educação para endossar uma experiência condutora.

  • 1 Rue de la Légion d’Honneur, 75007 Paris, França
    E-mail: não divulgado
    Relação completa de contatos aqui.

Van Gogh Museum

museus europeus

Museus impressionantes para visitar na Europa. Foto: Rasmus Kuber / Unsplash

A Holanda possui museus memoráveis. Um deles é dedicado a Van Gogh e seus contemporâneos na Praça do Museu ao sul de Amsterdã, próximo ao Stedelijk, ao Rijksmuseum e ao Concertgebouw. Inaugurado em 2 de junho de 1973, seus edifícios foram projetados por Gerrit Rietveld e Kisho Kurokawa.

Contém a maior coleção de pinturas e desenhos de Van Gogh no mundo. Em 2017 teve 2,3 milhões de visitantes e foi o museu mais visitado da Holanda e o 23º museu de arte mais visitado do mundo. Em 2019 lançou a Meet Vincent Van Gogh Experience, uma “exposição imersiva” baseada em tecnologia sobre a vida e as obras de Van Gogh, que percorreu o mundo todo.

É um dos museus mundiais que mais registra incidentes com ladrões de arte. Em 1991, vinte pinturas foram roubadas do museu, entre elas a pintura inicial de Van Gogh, Os Comedores de Batata. Embora os ladrões tenham escapado do prédio, 35 minutos depois, todas as pinturas roubadas foram recuperadas de um carro abandonado.

Três pinturas, Campo de Trigo com Corvos, Natureza Morta com Bíblia e Natureza Morta com Frutas, foram severamente rasgadas durante o roubo. Quatro homens, incluindo dois guardas do museu, foram condenados pelo roubo e receberam sentenças de seis ou sete anos.É considerado o maior roubo de arte na Holanda desde a Segunda Guerra Mundial.

Em 2002, duas pinturas foram roubadas, Congregação Deixando a Igreja Reformada em Nuenen e Vista do Mar em Scheveningen. Dois holandeses foram condenados pelo roubo a sentenças de quatro anos e meio, mas as pinturas não foram imediatamente recuperadas.

O museu ofereceu uma recompensa de € 100.000 por informações que levassem à recuperação das pinturas. A equipe de crimes de arte do FBI listou o roubo em sua lista dos dez maiores crimes de arte e estima o valor combinado das pinturas em US$ 30 milhões.

Em setembro de 2016, ambas as pinturas foram descobertas pela Guardia di Finanza em Castellammare di Stabia, Itália, em uma vila pertencente ao traficante de drogas da Camorra, Raffaele Imperiale. As duas obras foram encontradas em “estado relativamente bom”, de acordo com a assessoria de imprensa do museu.

Rijksmuseum

museus para conhecer na Europa

Museus impressionantes para visitar na Europa. Foto: Timo Wielink / WIkimedia Commons

Ainda na Holanda fica o Rijksmuseum, o museu nacional do país, dedicado às artes e história holandesas. Está localizado na Praça dos Museus, no bairro Amsterdam South, perto do Museu Van Gogh, do Museu Stedelijk de Amsterdã e do Concertgebouw.

Foi fundado em Haia em 19 de novembro de 1798 e mudou-se para Amsterdã em 1808, onde foi localizado pela primeira vez no Palácio Real e depois no Trippenhuis. O atual edifício principal foi projetado por Pierre Cuypers e inaugurado em 1885. Em 13 de abril de 2013, após uma reforma de dez anos que custou € 375 milhões, o edifício principal foi reaberto pela rainha Beatriz.

Em 2013 e 2014, foi o museu mais visitado na Holanda, com números recordes de 2,2 milhões e 2,47 milhões de visitantes. É também o maior museu de arte do país.

Tem em exposição 8.000 objetos de arte e história, de sua coleção total de 1 milhão de itens dos anos 1200 a 2000, entre os quais algumas obras-primas de Rembrandt, Frans Hals e Johannes Vermeer. Também tem uma pequena coleção asiática, que está exposta no pavilhão asiático.

Após exposições temporárias anteriores sobre temas históricos da arte, o museu em 2021 apresentou uma exposição sobre a história da escravidão no Império colonial holandês, com mais de um milhão de pessoas forçadas à prática.

Abrangeu a escravidão transatlântica do século XVII ao XIX no Suriname, Brasil e Caribe, bem como a escravidão colonial holandesa na África do Sul e Ásia, onde a Companhia Holandesa das Índias Ocidentais e a Companhia Holandesa das Índias Orientais foram escravizados.

Além de objetos, como um bloco de madeira para trancar escravos, pinturas, documentos de arquivo, fontes orais, poemas e músicas, a exposição também apresentou conexões do sistema escravocrata nas casas do país. Na coleção permanente, rótulos foram adicionados a 77 pinturas e objetos que eram vistos como símbolos da riqueza e poder do país para indicar vínculos anteriormente ocultos com a escravidão.

A exposição foi apresentada fisicamente no museu de maio a agosto de 2021 e em versão online. Foi complementada por tours de áudio e vídeos relatando histórias pessoais e da vida real, bem como um livro de acompanhamento intitulado Escravidão (Slavery).

Anne Frank House

melhores museus

Foto: Divulgação

Saindo por um momento do circuito da beleza estética, vamos para um local que traz à memória uma história triste, a da menina judia que queria ser escritora ou jornalista e acabou por se tornar símbolo do Holocausto ao morrer num campo de concentração com apenas 15 anos de Tifo.

A Casa de Anne Frank (em holandês, Anne Frank Huis) é um complexo de escritórios e museu biográfico dedicado à diarista judia Anne Frank. O edifício está localizado em um canal chamado Prinsengracht, perto de Westerkerk, no centro de Amsterdã.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Anne se escondeu da perseguição nazista com sua família e outras quatro pessoas em quartos escondidos, no prédio dos fundos, da casa do canal do século XVII, mais tarde conhecida como Anexo Secreto (em holandês: Achterhuis, o título original do famoso diário). Ela não sobreviveu à guerra, mas seu diário desses anos foi publicado em 1947. Dez anos depois, a Fundação Anne Frank foi criada para proteger a propriedade dos desenvolvedores que queriam demolir o bloco de escritórios.

O museu em si foi inaugurado em três de maio de 1960. Preserva o esconderijo, tem uma exposição permanente sobre a vida e os tempos de Anne Frank e tem um espaço de exposição sobre todas as formas de perseguição e discriminação. Entre 2013 e 2014, o museu teve 1,2 milhão de visitantes e foi o 3º mais visitado da Holanda, depois do Rijksmuseum e do Museu Van Gogh.

O antigo esconderijo de Anne Frank atraiu um grande interesse, especialmente porque as traduções e dramatizações do diário a tornaram uma figura conhecida em todo o mundo. Teve mais de 9 mil visitantes vieram em seu primeiro ano. Em uma década, teve o dobro. Ao longo dos anos, o edifício teve que ser reformado para receber um número tão grande de visitantes, e foi fechado temporariamente por esse motivo em 1970 e 1999.

Em 9 de setembro de 2001, a rainha Beatrix da Holanda o reabriu, agora incorporando todo o edifício entre espaços de exposição, uma livraria e um café, além de apresentar os escritórios na casa da frente reconstruídos ao seu estado na década de 1940. Em 2007 mais de um milhão de pessoas visitaram o local.

Em exibição no museu está o Oscar que Shelley Winters ganhou, e mais tarde o doou, por sua atuação como Petronella van Daan no filme de 1959, O Diário de Anne Frank. O prêmio agora fica em uma caixa de vidro à prova de balas no museu.

Museu do Prado

Europa

Foto: Divulgação

Voltando ao mundo da arte encontramos este destaque espanhol. Oficialmente conhecido como Museo Nacional del Prado, é o principal museu de arte do país, localizado no centro de Madri.

É amplamente considerado por abrigar uma das melhores coleções de arte europeia do mundo, datada do século XII ao início do século XX, baseada na antiga Coleção Real Espanhola, e a melhor coleção de arte espanhola. Fundado como museu de pintura e escultura em 1819, também contém importantes coleções de outros tipos de obras.

É um dos locais mais visitados do mundo e considerado um dos maiores museus de arte do planeta. As inúmeras obras de Francisco Goya, o artista mais amplamente representado, bem como de Hieronymus Bosch, El Greco, Peter Paul Rubens, Ticiano e Diego Velázquez, são alguns dos destaques da coleção. Velázquez e seu olhar aguçado e sensibilidade também foram responsáveis por trazer grande parte da bela coleção de mestres italianos do museu para a Espanha.

Atualmente, o acervo é composto por cerca de 8.200 desenhos, 7.600 pinturas, 4.800 gravuras e 1.000 esculturas, além de muitas outras obras de arte e documentos históricos. A partir de 2012, o museu exibiu cerca de 1.300 obras nos edifícios principais, enquanto cerca de 3.100 obras foram emprestadas temporariamente a vários museus e instituições oficiais. O restante estava armazenado.

Devido à pandemia da Covid-19, em 2020, a participação caiu 76%, para 852.161. No entanto, o Prado foi classificado como o 16º museu mais visitado na lista dos museus de arte mais visitados do mundo em 2020.

  • C. de Ruiz de Alarcón, 23, 28014 Madri, Espanha
    E-mail: [email protected]
    Relação completa de contatos aqui.

Museus do Vaticano

melhores museus da europa

Museus impressionantes para visitar na Europa. Foto: Divulgação

Os Musei Vaticani (Musea Vaticana em latim) são os museus públicos da Cidade do Vaticano. Exibem obras da imensa coleção acumulada pela Igreja Católica e pelo papado ao longo dos séculos, incluindo várias das mais renomadas esculturas romanas e obras-primas da arte renascentista mais importantes do mundo.

Os museus contêm cerca de 70.000 obras, das quais 20.000 estão em exibição, e atualmente empregam 640 pessoas que trabalham em 40 departamentos administrativos, acadêmicos e de restauração diferentes.

O Papa Júlio II fundou a instituição no início do século XVI. A Capela Sistina, com seu teto e parede do altar decorados por Michelangelo, e o Stanze di Raffaello (decorado por Rafael) estão na rota dos visitantes.

Dentre os destaques do acervo estão o trono papal de mármore vermelho, anteriormente na Basílica de São João de Latrão; esculturas romanas, lápides e inscrições, incluindo o sarcófago cristão primitivo de Junius Bassus e o epitáfio de Lucius Cornelius Scipio Barbatus; as Salas de Rafael, com muitas obras do artista e sua oficina, incluindo a obra-prima A Escola de Atenas; a Capela Sistina, com destaque para o teto; os afrescos e outras obras no apartamento Borgia construído para o papa Borgia, Alexandre VI; e a Escadaria Bramante, em espiral dupla projetada por Giuseppe Momo em 1932, que circunda a parede externa de uma escada de cerca de quinze metros de largura e com um espaço livre no centro.

Em 2020, devido à pandemia do COVID-19, os Museus do Vaticano foram visitados por apenas 1.300.000 pessoas, uma queda de 81% em relação ao número de visitantes em 2019, mas ainda suficiente para classificar os museus em quarto lugar entre os museus de arte mais visitados de o mundo. São ao todo 24 galerias, sendo a Capela Sistina a última sala dentro do Museu.

Galleria Borghese

europa

Museus impressionantes para visitar na Europa. Foto: Tommao Wang / Unsplash

Galeria de arte em Roma, localizada na antiga Villa Borghese Pinciana. No início, o edifício da galeria foi integrado aos seus jardins, mas hoje os jardins da Villa Borghese são considerados uma atração turística à parte.

Abriga uma parte substancial da Coleção Borghese de pinturas, esculturas e antiguidades, iniciada pelo Cardeal Scipione Borghese, sobrinho do Papa Paulo V (reinado 1605-1621). O edifício foi construído pelo arquiteto Flaminio Ponzio, desenvolvendo esboços do próprio Scipione Borghese, que o utilizou como villa suburbana, uma casa de campo nos limites da cidade.

Scipione Borghese foi um dos primeiros patronos de Bernini e um ávido colecionador de obras de Caravaggio, que está bem representado na coleção por seu Menino Com Uma Cesta de Frutas, São Jerônimo Writing, Sick Bacchus e outros. Outras pinturas dignas de nota incluem o Amor Sagrado e Profano de Ticiano, O Sepultamento de Cristo de Rafael e obras de Peter Paul Rubens e Federico Barocci.

O museu inclui vinte quartos em dois andares. O piso principal é principalmente dedicado a antiguidades clássicas dos séculos I e III dC (incluindo um famoso mosaico de gladiadores de 320 a 30 dC encontrado na propriedade Borghese em Torrenova, na Via Casilina, fora de Roma, em 1834), e clássicos e esculturas neo-clássicas como a Vênus Victrix.

A grande sala principal do andar principal, chamada Salone, tem um grande afresco trompe-l’œil no teto na primeira sala do artista siciliano Mariano Rossi faz tão bom uso do escorço que parece quase tridimensional. O afresco retrata Marcus Furius Camillus aliviando o cerco do Monte Capitolino pelos gauleses. As decorações grotteschi foram pintadas por Pietro Rotari, e as decorações de animais por Venceslaus Peter Boemo.

  • Piazzale Scipione Borghese, 5, 00197 Roma RM, Itália
    E-mail: [email protected]
    Relação completa de contatos aqui.

Museu da Acrópole

Foto: Divulgação

Foto: Chris Devers / Flickr

Museu arqueológico focado nas descobertas do sítio arqueológico da Acrópole de Atenas. Foi construído para abrigar todos os artefatos encontrados na rocha e nas encostas circundantes, desde a Idade do Bronze grega até a Grécia romana e bizantina. Também fica sobre as ruínas de parte da Atenas romana e bizantina primitiva.

Foi fundado em 2003, enquanto a Organização do Museu foi criada em 2008. Foi aberto ao público em 20 de junho de 2009. Mais de 4.250 objetos são exibidos em uma área de 14.000 metros quadrados. A Organização para a Construção do novo museu é presidida pelo Professor Emérito de Arqueologia da Universidade Aristóteles de Salónica, Dimitrios Pandermalis.

O primeiro museu, na Acrópole, foi concluído em 1874 e sofreu uma expansão moderada na década de 1950. No entanto, sucessivas escavações locais descobriram muitos novos artefatos que excederam significativamente sua capacidade original.

Uma motivação adicional para a construção de um novo museu foi que no passado, quando a Grécia fez pedidos para a devolução dos Mármores do Parthenon do Reino Unido, que adquiriu os itens de forma controversa, foi sugerido por alguns funcionários britânicos que a Grécia não tinha local adequado onde pudessem ser exibidos. A criação de uma galeria para a exibição dos Mármores foi fundamental para todas as propostas recentes para o projeto de um novo museu.

O museu está localizado na encosta sudeste da colina da Acrópole, na antiga estrada que levava à “rocha sagrada” nos tempos clássicos. Situado a apenas 280 metros, longe do Parthenon, e a 400 metros a pé dele, o museu é o maior edifício moderno erguido tão perto do local antigo, embora muitos outros edifícios dos últimos 150 anos estão localizados mais próximos da Acrópole. A entrada para o edifício fica na rua Dionysiou Areopagitou e diretamente adjacente à estação de metrô Akropoli, a linha vermelha do metrô de Atenas.

  • Dionysiou Areopagitou 15, Athina 117 42, Grécia
    E-mail: [email protected]
    Relação completa de contatos aqui.

Auschwitz

museus na europa

Museus impressionantes para visitar na Europa. Foto: Jean Carlo Emer / Unsplash

O Museu do Estado de Auschwitz-Birkenau fica no local do campo de concentração de Auschwitz em Oświęcim, na Polônia. Inclui o principal campo de concentração de Auschwitz I e os restos do campo de concentração e extermínio de Auschwitz II-Birkenau.

Ambos foram desenvolvidos e administrados pela Alemanha nazista durante a ocupação da Polônia em 1939-1945. O governo polonês preservou o local como centro de pesquisa e em memória de 1,1 milhão de pessoas que morreram lá, incluindo 960.000 judeus, durante a Segunda Guerra Mundial e o Holocausto. Tornou-se Patrimônio da Humanidade em 1979.

Foi criado em abril de 1946 por Tadeusz Wąsowicz e outros ex-prisioneiros do campo de concentração, sob a direção do Ministério da Cultura e Arte da Polônia. Foi formalmente fundado em 2 de julho de 1947 por um ato do parlamento polonês.

O local consiste em 20 hectares em Auschwitz I e 171 hectares em Auschwitz II, que fica a cerca de três quilômetros do campo principal. Mais de 25 milhões de pessoas visitaram o museu. De 1955 a 1990, o museu foi dirigido por um de seus fundadores e ex-detentos, Kazimierz Smoleń.

A primeira exposição no quartel foi inaugurada em 1947. Na Polônia stalinista, no sétimo aniversário da primeira deportação de prisioneiros poloneses para Auschwitz, a exposição foi revisada com a ajuda de ex-detentos. A exposição foi influenciada pela Guerra Fria e ao lado de fotos de guetos judeus, foram apresentadas fotos de favelas nos Estados Unidos.

Após a morte de Stalin, uma nova exposição foi planejada em 1955. Em 1959, todas as nações que tiveram vítimas em Auschwitz receberam o direito de apresentar sua própria exposição. No entanto, vítimas como homossexuais, Testemunhas de Jeová, Sinti e Roma e pessoas Yeniche não receberam esses direitos.

O estado de Israel também teve recusada a permissão para sua própria exibição, pois os judeus assassinados em Auschwitz não eram cidadãos de Israel. Em abril de 1968, foi inaugurada a exposição judaica, projetada por Andrzej Szczypiorski. Um escândalo ocorreu em 1979, quando o Papa João Paulo II realizou uma missa em Birkenau e chamou o campo de “Gólgota de nossos tempos”.

Em 1962, uma zona de prevenção ao redor do museu em Birkenau (e em 1977, uma ao redor do museu em Auschwitz) foi estabelecida para manter a condição histórica do campo. Estas zonas foram confirmadas pelo parlamento polaco em 1999. Em 1967, foi inaugurado o primeiro grande monumento memorial e na década de 1990 foram criados os primeiros quadros de informação.

  • Więźniów Oświęcimia 20, 32-603 Oświęcim, Polônia
    E-mail: [email protected]
    Relação completa de contatos aqui.

Kunsthistorisches Museum

europa

Museus impressionantes para visitar na Europa. Foto: Daniel J. Schwarz / Unsplash

Museu de arte instalado em seu edifício palaciano festivo na Ringstraße, é coroado com uma cúpula octogonal. O termo Kunsthistorisches Museum aplica-se tanto à instituição quanto ao edifício principal. É o maior museu de arte do país e um dos mais importantes do mundo.

O imperador Franz Joseph I da Áustria-Hungria abriu as instalações por volta de 1891, ao mesmo tempo que o Museu de História Natural de Viena, que tem um design semelhante e está diretamente do outro lado da Maria-Theresien-Platz. Os dois edifícios foram construídos entre 1871 e 1891 de acordo com os planos de Gottfried Semper e do Barão Karl von Hasenauer.

Os interiores dos museus são ricamente decorados com mármore, ornamentação de estuque, folha de ouro e murais. A grande escadaria apresenta pinturas de Gustav Klimt, Ernst Klimt, Franz Matsch, Hans Makart e Mihály Munkácsy.

Em 2010, um painel do governo austríaco recomendou que o museu deveria restituir dois painéis de altar do artista holandês do século XVI, Maerten van Heemskerck, aos herdeiros de Richard Neumann, um colecionador de arte judeu em Viena saqueado pelos nazistas.

Em 2015, uma disputa sobre uma pintura de Pieter Bruegel, O Velho, A Luta Entre Carnaval e Quaresma (1559) eclodiu entre a Polônia e a Áustria. A Polônia apresentou evidências de que a pintura havia sido apreendida por Charlotte von Wächter, esposa do governador nazista de Cracóvia, Otto von Wächter, durante a ocupação alemã da Polônia. O museu insistiu que possuía a pintura desde o século XVII, e que a obra de arte apreendida por von Wächter em 1939 “era uma pintura diferente”

The State Hermitage Museum

europa

Foto: Bakhrom Tursunov / Unsplash

O Museu de arte e cultura em São Petersburgo é o maior museu de arte do mundo em espaço de galeria. Foi fundado em 1764, quando a imperatriz Catarina, a Grande, adquiriu uma impressionante coleção de pinturas do comerciante de Berlim Johann Ernst Gotzkowsky.

A instituição celebra o aniversário de sua fundação todos os anos em 7 de dezembro, dia de Santa Catarina. Está aberto ao público desde 1852. Atraiu 968.604 visitantes em 2020, uma queda de oitenta por cento em relação a 2019, devido à pandemia da Covid-19. Em 2020, ficou em décimo primeiro lugar na lista dos museus de arte mais visitados do mundo.

Suas coleções, das quais apenas uma pequena parte está em exposição permanente, abrangem mais de três milhões de itens (a coleção numismática representa cerca de um terço deles). As coleções ocupam um grande complexo de seis edifícios históricos ao longo do Palace Embankment, incluindo o Palácio de Inverno, uma antiga residência de imperadores russos.

Além deles, o Palácio Menshikov, Museu de Porcelana, Instalação de Armazenamento em Staraya Derevnya e a ala leste do Edifício do Estado-Maior também fazem parte do museu.

Dos seis edifícios do complexo principal do museu, cinco – a saber, o Palácio de Inverno, o Pequeno Hermitage, o Velho Hermitage, o Novo Hermitage e o Teatro Hermitage – estão abertos ao público. O bilhete de entrada para turistas estrangeiros custa mais do que a taxa paga pelos cidadãos da Rússia e da Bielorrússia. No entanto, a entrada é gratuita na terceira quinta-feira de cada mês para todos os visitantes e livre diariamente para estudantes e crianças.

O museu fecha às segundas-feiras. A entrada para visitantes individuais está localizada no Palácio de Inverno, acessível a partir do Pátio.

  • Palace Square, 2, St Petersburg, Rússia, 190000
    E-mail: [email protected]
    Relação completa dos contatos aqui.

Dica extra para reservar hotéis

Para encontrar inúmeras opções de acomodação e reservar hotéis e pousadas com os melhores preços, utilizamos o Booking.com - disponível em milhares de destinos.

Passagens aéreas mais baratas

Para economizar com voos, consultamos primeiro as passagens aéreas na MaxMilhas, - quase sempre encontramos os melhores preços tanto no Brasil quanto no exterior. As passagens podem ser emitidas mesmo para quem não tem milhas aéreas.

Outras dicas úteis

Encontre informações úteis sobre os melhores destinos do mundo, com guias de viagens especializados sobre diferentes lugares para conhecer no Brasil e no exterior. São milhares de dicas de viagens com sugestões de onde ir na sua viagem, recomendação de hotéis, notícias atualizadas e muito mais.

Precisa de um carro na sua viagem? Encontre aluguel de carro na Rentcars e cote modelos diferentes podendo ser parcelado em até 10x. Já para passeios e ingressos antecipados, fechamos tudo sempre pela Get Your Guide.

Deseja falar com a redação, promover a sua marca ou relatar algum erro encontrado nesta página? Envie uma mensagem para [email protected]

  Inscreva-se em nosso canal:
 

Planeje sua Viagem


Casai: apartamentos boutique para curtir o Carnaval

Artigo anterior

7 formas de viajar sem pagar pela hospedagem

Artigo seguinte

Você pode gostar