De setembro de 2021 até abril de 2022 o Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba, abriga a exposição “Os Gêmeos: Segredos”, que reúne mais de cem obras dos paulistanos Gustavo e Otávio Pandolfo.

A mostra inclui itens como pinturas, esculturas inéditas, instalações imersivas e até blocos de rascunho usados pelos irmãos na adolescência.

A presença da cultura em Curitiba alcança um nível inédito com a exposição. Os artistas são famosos pelo seu traço singular, que traz influências da cultura hip hop, com menções a dança, música, muralismo e cultura popular. Acostumados a criar suas obras em espaços urbanos, as criações já passaram por mais de 60 países, incluindo Suécia, Alemanha, Portugal, Austrália, Cuba e Estados Unidos, dentre outros.

Leia também » Estes são os 100 lugares mais lindos para viajar no Brasil

Os Pandolfos já participaram de diversas mostras em instituições como o Hamburger Bahnhof, na Alemanha, em 2019, com um projeto em parceria com o grupo local Flying Steps; no Canadá, em 2014, na Bienal de Vancouver; em Los Angeles, no Moca – Museum of Contemporary Art, em 2011; em 2008, em Tóquio, no Japão, no MOT – Museum of Contemporary Art Tokyo; no mesmo ano em Londres, na Tate Modern; e em 2006 na Trienale de Milão, dentre muitos outros.

Exposição dos Gêmeos em Curitiba

exposição os gêmeos curitiba

Foto: Divulgação

O evento, porém, não passou incólume de receber uma crítica do bisneto de Niemeyer. Isso porque, para promover a exposição, os artistas instituíram algumas pinturas na fachada do estabelecimento, o que gerou uma confusão de opiniões nas redes sociais, com Paulo Niemeyer enfatizando que tal atitude foi “um desrespeito” para com a fachada do museu, projetado por seu bisavô.

A direção, entretanto, enfatizou que, quando a exposição os Gêmeos em Curitiba foi decidida, encomendou a alteração na estrutura, que foi autorizada pela Fundação Oscar Niemeyer, que cuida do patrimônio cultural do estado. Como resultado, a própria Fundação se manifestou a favor dos Pandolfos e rebateu as afirmações de Niemeyer.

Os personagens de cor amarela que estão na fachada do museu não são novidade no trabalho dos irmãos. Em São Paulo, quando estavam expostos, adornavam a fachada da Pinacoteca do estado. Quando os curitibanos souberam que as imagens seriam impressas, correram para o gramado do museu a fim de ver Gustavo e Otávio grafitando ao vivo e em cores. Quanto à fachada, os mais tradicionalistas não tem com o que se preocupar, uma vez que será pintada novamente de branco tão logo a exposição termine.

os gêmeos

Foto: Divulgação

Sobre a obra da dupla, um release oficial do museu diz: “Seus trabalhos contam histórias – às vezes autobiográficas – cujas tramas envolvem fantasia, relações afetivas, questionamentos, sonhos e experiências de vida. Os Gêmeos mantém seu ateliê, até hoje, no Cambuci, antigo bairro de operários e imigrantes na região central de São Paulo, no qual passaram sua infância e juventude. A partir da década de 1990, suas experimentações – não só em graffiti, mas também pintura em telas e esculturas estáticas e cinéticas – ultrapassaram os limites bidimensionais, culminando na construção de um universo próprio que opera entre o sonho e a realidade”.

Museu Oscar Niemeyer

exposição os gemeos em curitiba

Foto: Divulgação

O palco da polêmica dos grafites na fachada foi inaugurado em 2002 com o nome de Novo Museu. Com a conclusão da reforma e a construção de um novo anexo, foi reinaugurado em 8 de julho de 2003, com a denominação atual em homenagem ao seu famoso arquiteto, que completou este projeto quando tinha 95 anos. Também é conhecido como Museu do Olho ou Olho de Niemeyer, devido ao formato do edifício.

O estabelecimento concentra-se nas artes visuais, arquitetura e design. Por sua imponência, beleza e acervo, representa uma instituição cultural de relevância internacional. O conjunto de dois prédios, instalado em uma área de 35 mil metros quadrados (dos quais 19 mil são dedicados ao espaço expositivo), é um verdadeiro exemplo de arquitetura aliada à arte. O primeiro prédio foi projetado por Oscar Niemeyer em 1967, fiel ao estilo da época, e concebido como uma instituição de ensino, inaugurada em 1978.

O museu apresenta muitos dos elementos característicos do artista projetista: formas geométricas arrojadas, volumes esculturais curvos colocados de forma proeminente para contrastar com volumes retangulares, rampas sinuosas para pedestres, grandes áreas de concreto pintado de branco e áreas com murais ou pinturas vivas. Embora enraizado na arquitetura moderna desde seu envolvimento com o estilo internacional, os projetos de Niemeyer têm muito em comum com a arquitetura pós-moderna e este é um edifício tão contemporâneo quanto a obra de arte que exibe.

O anexo é uma reminiscência de um olho humano e  deu ao museu uma nova identidade. Foi concluído e aberto ao público em 2003. Construída em concreto armado, a estrutura de 30 metros de altura fica acima de uma piscina de água e está conectada ao edifício principal do museu por uma passarela subterrânea futurística. O anexo contém uma grande escada em espiral entre seus níveis, e as duas fachadas em forma de diamante do “olho” do edifício são construídas em vidro e aço, que fornecem luz natural.

+ info:

Museu Oscar Niemeyer

Rua Marechal Hermes 999 – Centro Cívico – Curitiba | PR – 80530.230
Telefone: (41) 3350-4400
Site oficial

Inscreva-se em nosso canal:



Planeje sua Viagem




Deseja falar com a redação ou relatar algum erro encontrado nesta página? Envie uma mensagem para [email protected]

Resorts com cassinos: oportunidade para impulsionar o turismo brasileiro no pós-pandemia?

Artigo anterior

Cânion Encantado: atração forma um dos cenários mais belos de Tocantins

Artigo seguinte

Você pode gostar