Conheça as melhores termas de Budapeste e saiba como funciona. As casas de banho termal são uma das atrações imperdíveis da capital húngara

Budapeste, a capital da Hungria, foi construída em cima da maior bacia de águas termais do mundo. Desde o tempo em que os povos celtas moravam no local, as fontes naturais de águas quentes já eram utilizadas por seus benefícios medicinais. 

Na época em que o Império Romano ocupou o território, o vale onde hoje é Budapeste ficou conhecido como Aquincum por conta dessas fontes e sua fama logo se espalhou pelo resto da Europa e parte da Ásia. No século XVI, foi a vez do Império Otomano reivindicar a região e, pela primeira vez, pela paixão dos turcos pelas casas de banho, as nascentes de águas quentes foram canalizadas e suas bacias transformadas em piscinas, as famosas termas

Hoje, Budapeste conta com mais de 30 termas diferentes espalhadas pela cidade, que, por conta disso, recebeu o apelido de cidade spa. Entre essas tantas, quatro termas se destacam como as mais populares da capital húngara. Se você que tem Budapeste como próximo destino, separamos as melhores casas de banho da cidade para aproveitar ao máximo esses atributos naturais. 

Melhores termas de Budapeste

Széchenyi

melhores termas de Budapeste

Banho termal em Budapeste. Foto: Divulgação

A termas Széchenyi é o maior banho medicinal da Europa, em funcionamento desde 1913. Sua água é fornecida por duas fontes termais, com temperatura de 74ºC e 77ºC e no espaço interno, podemos encontrar 15 banheiras e 3 piscinas no total, em que as águas chegam nos 38°C. Seu caráter medicinal vêm dos componentes da água, que incluem uma série de minerais que são úteis contra problemas de articulação. 

Por ser a maior e contar com piscinas de águas quentes também na parte externa do edifício, Széchenyi se tornou a mais famosa das termas de Budapeste. No geral, o público é principalmente jovem o que fez com que festas também usassem as termas como local. Caso queira ir numa balada nas termas de Széchenyi, elas acontecem aos sábados, após o fechamento para o público comum.

Gellért

Banho termal em Budapeste. Foto: Divulgação

As piscinas termais de Gellért foram construídas entre 1912 e 1918 com uma arquitetura toda em estilo art-nouveau, repleta de esculturas e paredes coloridas. Ainda hoje, alguns setores conservam as estruturas originais. Menor do que Széchenyi, as piscinas quentes, todas internas, chegam aos 40ºC. E por ser mais intimista, Gellért atrai um público mais idoso. Além das piscinas quentes, o local também conta com uma piscina de ondas de águas frias na parte externa, voltada para o uso durante o verão. 

As termas de Gellért funcionam dentro do famoso hotel Danubius Hotel Gellért, mas os dois estabelecimentos operam de maneira independente. Se você quiser se hospedar no Danubius, terá desconto no ingresso para as termas. 

Kiraly Bath 

Banho termal em Budapeste

Banho termal em Budapeste. Foto: Divulgação

Os banhos termais de Kiraly Bath são os mais antigos de Budapeste, construídas pelos turcos otomanos em meados do séculos 16. Em uma viagem no tempo até a Era Medieval, as termas de Kiraly, ao contrário dos banhos turcos contemporâneos, conta com piscinas octogonais (as chamadas ilidzas, em vez de hammams). Além da piscina histórica, existem 3 piscinas menores e uma moderna piscina jacuzzi. Para montar o ambiente, o local tem uma luz fraca característica, pois a piscina recebe luz dos buracos das cúpulas do século 16, cobertos com vidro. 

O banho não é restaurado há muitas décadas, o que lhe confere um apelo histórico ainda mais fascinante, onde os detalhes turcos são misturados à cultura do banho medicinal da década de 1890 e à abordagem prática e histórica da era comunista de Budapeste.

Rudás

Banho termal em Budapeste

Banho termal em Budapeste. Foto: Divulgação

As termas de Rudás, em conjunto com a Kiraly, é uma das mais antigas termas de Budapeste, com parte de suas instalações datadas de 1520. E, como diferencial, Rudás é a única das termas da cidade que ainda permite que os banhos sejam desfrutados nus, como os antigos otomanos faziam

Rudás é dividida em três áreas, denominadas: “thermal bath”, “swimming pool” e “wellness”. O “thermal bath” é onde ficam as instalações mais antigas e onde é permitido nadar nu seguindo uma separação entre homens e mulheres em dias específicos. Os homens podem usar toda segunda, quarta, quinta e sexta. Mulheres são permitidas às terças. Já os fins de semana são liberados para público misto, mas todos devidamente vestidos.

Outro ponto interessante de Rudás, é seu terraço. Localizado no espaço “wellness”, que é descoberto e conta com uma piscina circular de águas quentes que da uma vista para todo o lado Peste da cidade. Durante a noite, as luzes da cidade noturna torna a vista ainda mais magnífica. 

A área “swimming pool” e o espaço de “wellness”, que também possui uma sala com 4 piscinas além do terraço, são abertos ao público misto todos os dias. 

Leia também:

» Museus em Budapeste – Museus e galerias de arte na capital da Hungria
» Roteiro no Leste Europeu: Praga, Viena, Bratislava e Budapeste
» Dicas de turismo em Budapeste
» O que fazer em Bratislava: conheça 21 atrações turísticas imperdíveis

Dicas para planejar sua viagem:

» Descubra as melhores opções de aluguel de carros com a Localiza.
» Encontre hotéis, pousadas, resorts e hostels com o Booking.com.
» Ganhe R$179 de crédito do Airbnb na primeira reserva.
» Reserve passagens aéreas com até 40% de desconto para qualquer destino.
Deseja falar com a redação ou relatar algum erro encontrado nesta página? Envie uma mensagem para [email protected]

O que fazer em Jericoacoara: 18 atrações imperdíveis para conhecer

Artigo anterior

O que fazer em Salvador: 31 atrações imperdíveis no destino

Artigo seguinte

Você pode gostar