Um novo estudo de um dos habitats mais únicos e importantes de nosso planeta – a Grande Barreira de Corais na Austrália – mostrou que ela perdeu metade de seus corais como resultado da mudança climática.

Conduzido pelo Centro de Excelência ARC para Estudos de Corais em Queensland, Austrália, o estudo mostrou que as populações de seus corais pequenos, médios e grandes diminuíram nas últimas três décadas.

O autor principal Dr. Andy Dietzel disse que a ciência tem faltado informações e estudos completos sobre as mudanças nas populações de corais ao longo do tempo, algo que o estudo tentou abordar. Juntamente com uma equipe de co-autores, ele avaliou as comunidades de corais e seu tamanho de colônia ao longo da extensão da Grande Barreira de Corais entre 1995 e 2017, com os resultados mostrando um esgotamento da vida marinha na região.

Foto: Reprodução

“Descobrimos que o número de corais pequenos, médios e grandes diminuiu em mais de 50% desde os anos 90”, disse o co-autor Professor Terry Hughes, também da CoralCoE. “O declínio ocorreu tanto em águas rasas e profundas, como em praticamente todas as espécies – mas especialmente em corais de ramificação e em forma de mesa”. Estes foram os mais afetados pelas temperaturas recordes que provocaram o branqueamento em massa em 2016 e 2017″. O branqueamento dos corais é resultado do estresse dos corais devido a mudanças na luz, temperatura e nutrientes, um processo que os leva a expelir algas simbióticas em seus tecidos e a se tornarem vulneráveis.

As ramificações e os corais em forma de mesa fornecem as estruturas importantes para os habitantes do recife. A perda de corais resulta em uma perda direta de habitat, o que por sua vez diminui a abundância de peixes e a produtividade da pesca nos recifes de coral.

Uma das maiores implicações do tamanho dos corais é seu efeito na sobrevivência e reprodução, com a recuperação do recife sendo comprometida porque há menos corais bebês e poucos adultos reprodutores grandes. A mudança climática está aumentando a frequência de distúrbios nos recifes, como ondas de calor marinhas, com a parte sul do recife sendo exposta a temperaturas recordes no início de 2020.

Os autores do estudo também disseram que são urgentemente necessários melhores dados sobre as tendências demográficas dos corais, a fim de descobrir a taxa e a possibilidade de recuperação entre os distúrbios, bem como tomar medidas importantes para enfrentar a mudança climática agora mesmo. “Não há tempo a perder – devemos reduzir drasticamente as emissões de gases de efeito estufa o mais rápido possível”, disseram eles.

Leia também:

» Imagens de drone registram mais de 60 mil tartarugas no mar da Austrália
» Governo da Austrália oferece cursos gratuitos para brasileiros
» Unesco inclui destinos da Espanha e Austrália em lista de Patrimônios Mundiais
» Veja as 7 cidades mais bonitas para visitar na Austrália

Dicas para planejar sua viagem:

» Descubra as melhores opções de aluguel de carros com a Localiza.
» Encontre hotéis, pousadas, resorts e hostels com o Booking.com.
» Ganhe R$179 de crédito do Airbnb na primeira reserva.
» Reserve passagens aéreas com até 40% de desconto para qualquer destino.
Deseja falar com a redação ou relatar algum erro encontrado nesta página? Envie uma mensagem para [email protected]

Arqueólogos encontram ‘Gatinho’ de 37 metros entre geoglifos no Peru

Artigo anterior

Nova trilha de bicicleta permitirá dar a volta no Lago de Garda, na Itália

Artigo seguinte

Você pode gostar